Rádio Atalaia FM
Sexta, 07 de Agosto de 2020
82991770741
Brasil BOLSA EM BAIXAS

Após pacote anti-crise do Fed, juros do Brasil podem ir abaixo de 4%

Após pacote anti-crise do Fed, juros do Brasil podem ir abaixo de 4%

16/03/2020 07h35
4.931
Por: ADMINISTRADOR Fonte: CNN
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Sede do Banco Central, em Brasília

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O agressivo pacote de estímulos anunciado no início da noite deste domingo (15) pelo Federal Reserve (Fed), o banco central norte-americano, é um sinal de reconhecimento da grave crise pela qual a economia global está passando. A decisão deve assustar bolsas de valores do mundo inteiro e, de quebra, cria nova pressão para que o Brasil reduza ainda mais a sua taxa de juros, hoje já na mínima histórica. 

Em um movimento em resposta aos impactos da epidemia de coronavírus na economia, o Fed anunciou neste domingo (15) um pacote de medidas que inclui a redução dos juros para quase zero e a injeção de US$ 700 bilhões no mercado. Os juros foram cortados da banda de 1% a 1,25% para a faixa de 0% a 0,25%, no segundo corte extraordinário em menos de duas semanas. No início de março a banda máxima estava em 1,75%, e o Fed já havia feito uma primeira redução não programada. Desde a crise financeira de 2008 a autoridade monetária dos EUA não tomava medidas dessa magnitude. 

O anúncio veio apenas três dias antes da data marcada para a reunião do Comitê Política Monetária (Copom) do Banco Central brasileiro, na quarta-feira (18), que deve decidir a Selic, a taxa básica de juros do país. O Copom se reúne a cada 45 dias para alterar ou não a Selic. Na última reunião, no início de fevereiro, a taxa foi cortada em 0,25 ponto, para 4,25% ao ano, e os relatórios da decisão já indicavam que o novo patamar era razoável e não deveriam haver novas reduções. 

De lá para cá, entretanto, o mundo virou de ponta-cabeça, e analistas consultados pelo CNN Brasil Business falam em cortes que podem derrubar a Selic para até 3,75%, já nesta reunião. Nesse meio tempo, os casos de coronavírus se espalharam virtualmente por todo o globo – incluindo o Brasil. Inúmeros países paralisaram atividades e um conflito político entre Rússia e Arábia Saudita ainda fez o barril do petróleo ter uma das piores quedas das últimas décadas. A agressividade do Fed apenas referenda a gravidade da situação. 

“As medidas do Fed colocam uma pressão adicional para o nosso banco central”, disse o economista Sérgio Vale, economista-chefe da consultoria MB Associados. “Para quem achava que não haveria mais nenhum tipo de corte, temos agora o BC jogado na parede tendo que fazer um corte de pelo menos meio ponto percentual na reunião de quarta.” Isso reduziria a Selic dos atuais 4,25% para 3,75%. 

Por trás da pressão, explica Vale, está a confirmação de que as principais autoridades do mundo entendem que as perdas da economia por conta da parada geral pós-coronavírus podem ser bem maiores do que o incialmente calculado. 

“O Fed está sinalizando nas últimas duas semanas uma preocupação quase inédita, até pior do que a crise de 2008”, diz Vale. “Em 2008, também houve medidas extraordinárias da mesma magnitude, mas elas vieram ao longo de muito mais tempo e foram muito mais pensadas. O que chama a atenção, desta vez, é a rapidez com que foram aplicadas.”

A coordenadora da graduação de Economia do Insper, Juliana Inhasz, também acredita em novo corte na Selic nesta quarta-feira, entre 0,25 ponto e, mais provavelmente, 0,5 (para 3,75%). “Nós já imaginávamos que o Copom mudaria o tom depois do primeiro corte feito pelo Fed”, disse ela, em referência ao corte nos juros americanos anunciados em 5 de março. “A percepção ali, entretanto, é de que poderia ser uma redução de 0,25, mas, com o novo anúncio do Fed, pode ser maior.”

Nos dois casos, explica Inhasz, o corte dos juros é uma maneira de tentar estimular a circulação de dinheiro e o consumo em um momento que as economias devem sofrer, mas, em especial para o Brasil, podem ser pouco efetivas. “O efeito de curto prazo [de juros mais baixos] para os Estados Unidos pode ser um pouco maior do que aqui, porque as nossas taxas já estão muito baixas e as condições macroeconômicas seguem muito deterioradas.”

Atalaia - AL
Atualizado às 13h06 - Fonte: Climatempo
28°
Muitas nuvens

Mín. 21° Máx. 28°

29° Sensação
27.4 km/h Vento
55.3% Umidade do ar
60% (4mm) Chance de chuva
Amanhã (08/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 21° Máx. 28°

Sol e Chuva
Domingo (09/08)
Madrugada
Manhã
Tarde
Noite

Mín. 20° Máx. 28°

Sol e Chuva
Ele1 - Criar site de notícias