Rádio Atalaia FM
HIV SAUDE
DENGUE SAUDE
BOLSA EM BAIXAS

Após pacote anti-crise do Fed, juros do Brasil podem ir abaixo de 4%

Após pacote anti-crise do Fed, juros do Brasil podem ir abaixo de 4%

16/03/2020 07h35
Por: ADMINISTRADOR
Fonte: CNN
4.883
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Sede do Banco Central, em Brasília

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

O agressivo pacote de estímulos anunciado no início da noite deste domingo (15) pelo Federal Reserve (Fed), o banco central norte-americano, é um sinal de reconhecimento da grave crise pela qual a economia global está passando. A decisão deve assustar bolsas de valores do mundo inteiro e, de quebra, cria nova pressão para que o Brasil reduza ainda mais a sua taxa de juros, hoje já na mínima histórica. 

Em um movimento em resposta aos impactos da epidemia de coronavírus na economia, o Fed anunciou neste domingo (15) um pacote de medidas que inclui a redução dos juros para quase zero e a injeção de US$ 700 bilhões no mercado. Os juros foram cortados da banda de 1% a 1,25% para a faixa de 0% a 0,25%, no segundo corte extraordinário em menos de duas semanas. No início de março a banda máxima estava em 1,75%, e o Fed já havia feito uma primeira redução não programada. Desde a crise financeira de 2008 a autoridade monetária dos EUA não tomava medidas dessa magnitude. 

O anúncio veio apenas três dias antes da data marcada para a reunião do Comitê Política Monetária (Copom) do Banco Central brasileiro, na quarta-feira (18), que deve decidir a Selic, a taxa básica de juros do país. O Copom se reúne a cada 45 dias para alterar ou não a Selic. Na última reunião, no início de fevereiro, a taxa foi cortada em 0,25 ponto, para 4,25% ao ano, e os relatórios da decisão já indicavam que o novo patamar era razoável e não deveriam haver novas reduções. 

De lá para cá, entretanto, o mundo virou de ponta-cabeça, e analistas consultados pelo CNN Brasil Business falam em cortes que podem derrubar a Selic para até 3,75%, já nesta reunião. Nesse meio tempo, os casos de coronavírus se espalharam virtualmente por todo o globo – incluindo o Brasil. Inúmeros países paralisaram atividades e um conflito político entre Rússia e Arábia Saudita ainda fez o barril do petróleo ter uma das piores quedas das últimas décadas. A agressividade do Fed apenas referenda a gravidade da situação. 

“As medidas do Fed colocam uma pressão adicional para o nosso banco central”, disse o economista Sérgio Vale, economista-chefe da consultoria MB Associados. “Para quem achava que não haveria mais nenhum tipo de corte, temos agora o BC jogado na parede tendo que fazer um corte de pelo menos meio ponto percentual na reunião de quarta.” Isso reduziria a Selic dos atuais 4,25% para 3,75%. 

Por trás da pressão, explica Vale, está a confirmação de que as principais autoridades do mundo entendem que as perdas da economia por conta da parada geral pós-coronavírus podem ser bem maiores do que o incialmente calculado. 

“O Fed está sinalizando nas últimas duas semanas uma preocupação quase inédita, até pior do que a crise de 2008”, diz Vale. “Em 2008, também houve medidas extraordinárias da mesma magnitude, mas elas vieram ao longo de muito mais tempo e foram muito mais pensadas. O que chama a atenção, desta vez, é a rapidez com que foram aplicadas.”

A coordenadora da graduação de Economia do Insper, Juliana Inhasz, também acredita em novo corte na Selic nesta quarta-feira, entre 0,25 ponto e, mais provavelmente, 0,5 (para 3,75%). “Nós já imaginávamos que o Copom mudaria o tom depois do primeiro corte feito pelo Fed”, disse ela, em referência ao corte nos juros americanos anunciados em 5 de março. “A percepção ali, entretanto, é de que poderia ser uma redução de 0,25, mas, com o novo anúncio do Fed, pode ser maior.”

Nos dois casos, explica Inhasz, o corte dos juros é uma maneira de tentar estimular a circulação de dinheiro e o consumo em um momento que as economias devem sofrer, mas, em especial para o Brasil, podem ser pouco efetivas. “O efeito de curto prazo [de juros mais baixos] para os Estados Unidos pode ser um pouco maior do que aqui, porque as nossas taxas já estão muito baixas e as condições macroeconômicas seguem muito deterioradas.”

Atalaia - AL
Atualizado às 20h31
24°
Muitas nuvens Máxima: 30° - Mínima: 22°
24°

Sensação

8.8 km/h

Vento

81.4%

Umidade

Fonte: Climatempo
ALIANÇA
FARMACIA POPULAR
Anúncio arranha-céu MF INFORMATICA
PROF LESSO
INOVAR
Municípios
Banner sessão política
Últimas notícias
Banner abaixo sessão esportes IMPERIO
Banner sessão esportes INOVAR
QUINHO DO PORTAO
Mais lidas
Banner sessão entretenimento
Banner ao lado dos blogs pineiro net