Rádio Atalaia FM
NOVA GOVERNO BANNER TURISMO TOPO
NOVA GOVERNO BANNER
MEIO AMBIENTE

Bolsonaro cita Dilma e não comenta aumento recorde de desmatamento

Na segunda o Inpe divulgou dados que mostram que, entre agosto de 2018 e julho de 2019, o Brasil bateu o recorde do desmatamento na Amazônia desta década

19/11/2019 20h04
Por: ADMINISTRADOR
Fonte: FOLHAPRESS
4.112
DR
DR

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) não quis comentar o aumento recorde de desmatamento na região amazônica. Questionado sobre o assunto, ele lembrou governos do PT e trocou o nome da ex-ministra Marina Silva pelo da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). 

"Vocês viam o desmatamento quando a Dilma foi ministra? A Dilma não, a .... [alguém sugere Marina Silva]. Marina Silva foi ministra, vocês viram? Foi recorde o desmatamento, então, não pergunte para mim, não", disse na saída do Palácio da Alvorada após reunião ministerial e no início da cerimônia em comemoração ao Dia da Bandeira, celebrado nesta terça-feira (19). 

Na segunda (18), o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) divulgou dados que mostram que, entre agosto de 2018 e julho de 2019, o Brasil bateu o recorde do desmatamento na Amazônia desta década. 

Segundo o sistema de monitoramento Prodes, que oferece o dado mais preciso, consolidado e com nível de confiança superior a 95%, foram destruídos 9.762 km², um aumento de 29,5% em comparação com o ano anterior.

Juntos, os estados de Pará, Rondônia, Mato Grosso e Amazonas foram responsáveis por 84% do total desmatado no período, cerca de 8.213 km². O aumento percentual desse ano é o terceiro maior da história. Aumentos tão acentuados só foram vistos nos anos de 1995 e 1998. No primeiro, o crescimento foi de 95% e a taxa alcançou o pico histórico: 29.100 km² de área devastada. Já em 1998 o aumento do desmate foi de 31%.

Ao lembrar do indicador do desmatamento durante a gestão de Marina Silva à frente do ministério do Meio Ambiente, Bolsonaro se refere a um pico, em 2004, quando foi devastada uma área de 27 mil km2. O recorde, na verdade, foi em 1995, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso, com destruição de uma área de 29.000 km².

Marina foi ministra durante o governo do ex-presidente Lula, entre 2003 e 2008. 

Perguntado novamente pela reportagem sobre o dado atual, que mostra alta recorde, de 29,5% do desmatamento, o presidente sugeriu que o tema não fosse alvo de questões.

"Não, não pergunta não. Pergunta para o Ricardo Salles, que está ali, conversa com ele", disse, apontando a região onde o ministro estava, a poucos metros, em uma área sem acesso para a imprensa. 

A reportagem indagou então se foi dada alguma orientação ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que se reúne na quarta (20) com governadores da região amazônica para discutir os indicadores. 

"É lógico que eu converso com ele. ... Não vou falar para você, foi reservada a conversa. Foi reservada", disse. "Queria saber se tem uma decisão pública, alguma medida? Foi reservada a conversa com ele, conversa com ele. Eu não posso conversar reservadamente com o ministro e abrir para vocês aqui. Seria antiético da minha parte."

Bolsonaro foi perguntado se considera a alta de desmatamento um assunto reservado, e respondeu que não quer dar publicidade às ações de sua gestão.

"Nós não queremos publicidade de nada que fazemos, queremos solução", disse. Questionado qual seria a solução, não respondeu e encerrou a entrevista. 

Na campanha presidencial, Bolsonaro criticou repetidas vezes a fiscalização ambiental feita pelo Ibama e afirmou que o país tem muitas unidades de conservação e terras indígenas. Também cogitou fundir o Ministério do Meio Ambiente com o da Agricultura, mas recuou. 

 

Durante o período eleitoral, de agosto a outubro, a destruição na floresta cresceu 48,8% em comparação com o mesmo período do ano anterior. 

Bolsonaro não diminui o tom do discurso após a vitória na eleição. Continuou a criticar os fiscais do Ibama (e exonerou o funcionário que lhe aplicou uma multa ambiental em 2012), sinalizou que deve atender os anseios de garimpeiros cujo maquinário foi destruído pelo Ibama, atacou duramente os dados de desmatamento produzidos pelo monitoramento do Inpe que já indicavam tendência de alta no desmatamento em seu mandato. 

O presidente afirmou que os dados sobre desmatamento da Amazônia eram incorretos, exagerados e prejudicavam a imagem do país. O presidente também sugeriu que o então diretor do Inpe, o engenheiro Ricardo Galvão, poderia estar "a serviço de alguma ONG" e que os dados crescentes de desmate não condiziam com a realidade. "Eu entendo a necessidade de preservar, mas a psicose ambiental deixou de existir comigo", disse em julho.

Galvão se defendeu das críticas em entrevistas à imprensa. À reportagem ele disse que até poderia ser demitido, mas que o Inpe era sólido o suficiente para resistir aos ataques do governo. Ele foi exonerado em seguida. 

Entre outras medidas tomadas pela gestão Bolsonaro estão a transferência de órgãos do Ministério do Meio Ambiente para outras pastas e a paralisação do Fundo Amazônia, que recebia dinheiro da Noruega e Alemanha para estimular ações de controle sobre desmatamento e uso sustentável do bioma.

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários
Atalaia - AL
Atualizado às 23h53
24°
Muitas nuvens Máxima: 33° - Mínima: 22°
24°

Sensação

13.7 km/h

Vento

89.5%

Umidade

Fonte: Climatempo
ALIANÇA
FARMACIA POPULAR
Anúncio arranha-céu MF INFORMATICA
test
PROF LESSO
INOVAR
Municípios
Banner sessão política
Últimas notícias
Banner abaixo sessão esportes IMPERIO
Banner sessão esportes INOVAR
QUINHO DO PORTAO
Mais lidas
Banner sessão entretenimento
Banner ao lado dos blogs pineiro net