Rádio Atalaia FM
ARAPIRACA DA SORTE
ALAGOAS MOTOS
ALAGOAS MOTOS
NOVA GOVERNO BANNER
CASO MARIELLE

Associações policiais dizem que Bolsonaro 'tenta intimidar' delegado do caso Marielle

Associações policiais dizem que Bolsonaro 'tenta intimidar' delegado do caso Marielle

04/11/2019 11h41
Por: ADMINISTRADOR
2.736
CLIMA DE PREUCUPAÇAO
CLIMA DE PREUCUPAÇAO

O presidente Jair Bolsonaro "tenta intimidar" o delegado responsável pela investigação do assassinato da vereadora carioca Marielle Franco e de seu motorista, Anderson Gomes - afirmaram associações de polícia em um comunicado divulgado neste domingo (3).

"Valendo-se do cargo de Presidente da República e de instituições da União, claramente ataca e tenta intimidar o Delegado de Polícia do Rio de Janeiro, com intuito de inibir a imparcial apuração da verdade", afirma a nota.

No sábado, o presidente acusou o governador do Rio, Wilson Witzel, de "manipular" o caso e disse que o delegado que comanda as investigações é "seu amiguinho".

No mesmo comunicado, a Associação do Delegados de Polícia do Brasil (ADEPOL DO BRASIL), a Federação Nacional dos Delegados de Polícia Civil do Polícia Civil (FENDEPOL), o Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (SINDELPOL-RJ), o Sindicato dos Delegados de Polícia Civil do Estado do Amazonas (SINDEPOL-AM) e a Associação dos Delegados de Polícia do Pará (ADEPOL-PA) disseram "repudiar" as declarações do presidente Jair Bolsonaro em relação à investigação do caso "Marielle e Anderson".

Marielle e Anderson foram mortos na noite de 14 de março de 2018, no centro do Rio, quando seguiam para a casa da vereadora.

Esta semana, a Rede Globo noticiou que o porteiro do condomínio onde o presidente morava relatou à polícia que, no dia do crime, um dos suspeitos pediu para interfonar para a casa de Bolsonaro. Segundo a Globo, o porteiro afirmou ter recebido a autorização do presidente, à época deputado, mas que o visitante seguiu para a casa do outro suspeito.

Embora a reportagem tenha mostrado que, naquele dia, Bolsonaro estava em Brasília, o presidente divulgou pouco depois um vídeo, visivelmente irritado, contra a emissora e disse ser vítima de um complô.

Neste sábado, Bolsonaro disse ter retirado as gravações da portaria para evitar que fossem adulteradas, o que lhe rendeu muitas críticas.

As associações de polícia afirmam ainda que, em suas declarações, "o Presidente insinua direcionamento das investigações, inclusive com adulteração de provas e coação de testemunha, e refere-se ao Delegado presidente do inquérito como amiguinho (sic) do Governador".

"O cargo de Chefe do Poder Executivo Federal não lhe permite cometer atentados à honra de pessoas, muito menos daquelas que, no exercício de seu múnus público, desempenham suas funções no interesse da sociedade e, não, de qualquer governo", completa a nota.

*AFP

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários